Conheça a verdadeira Silent Hill: Centralia

GD Star Rating
loading...
Newsletter:
  

Sobre Conheça a verdadeira Silent Hill: Centralia

Conheça a verdadeira Silent Hill, a cidade americana de Centralia, em mais um especial do Canal AssombradO que estamos adicionando aqui, visto que é o local de onde realmente tiraram a inspiração para a Silent Hill da adaptação nos cinemas deste grande nome dos jogos survival horror.

Centralia é um distrito localizado no estado americano da Pensilvânia fundado por Jony Mustava, em 24 de agosto de 1875. A cidade, como era comum na região, havia se dedicado durante muito tempo à mineração de antracite, um combustível que solta chamas quase invisíveis quando utilizado.

A inspiração para a cidade do filme Terror em Silent Hill veio do fato que a cidade começou a pegar fogo internamente nas minas abandonadas, o que faz fumaça sair do chão, com cinzas e gases tóxicos sendo lançados na atmosfera, o que acabou, eventualmente, tornando-a praticamente uma cidade fantasma. No filme podemos ver estradas rachadas, vapor saindo do chão e vegetação morta. O escritor do filme, Roger Avary, confirmou que ele tinha Centralia em mente quando escreveu o roteiro.

Atualmente, a cidade não tem tanta fumaça saindo da terra evidente como nas décadas passadas, tendo mais a aparência de um campo asfaltado do que de um povoado, com suas ruas e calçadas cobertas por ervas daninhas. Cresceram árvores novas e existem poucas casas de pé, das quais apenas cinco estão ocupadas por moradores. O resto foi demolido pela ação do homem ou da própria natureza. A igreja que restou no povoado e que não foi afetada pelo incêndio, continua celebrando os serviços dominicais. Também se encontram em bom estado os quatro cemitérios, apesar de um deles ter suas lápides afundando na terra, e o prédio da prefeitura. Em 2013, moravam cerca de oito pessoas em Centralia. Existe hoje mais gente enterrada nestes cemitérios do que vivas na cidade.

Breve histórico do incêndio em Silent Hill… Digo, Centralia

No ano de 1962, com o progressivo uso do gás e petróleo em detrimento de outros minerais como fonte de energia, a maioria das minas começaram a ser abandonadas. Nesta época, Centralia ainda contava com uma população de aproximadamente 1.400 pessoas.

Ninguém sabe ao certo quando se iniciou este incêndio, embora acredita-se que foi em maio de 1962, num aterro de lixo situado nas periferias do povoado. Como sempre fazia anualmente, a prefeitura havia contratado os serviços de uma empresa de controle de incêndios para que limpasse o aterro que, naquele ano, ocupava uma antiga mina a céu aberto abandonada. Provavelmente foi ali onde se deu inicio a este peculiar incêndio, um perigo que passou desapercebido por um bom tempo pelos moradores de Centralia.

Em 1979, a verdadeira magnitude do perigo ficou evidente. O proprietário de um dos postos de gasolina do povoado percebeu que havia algo esquentando o seu combustível, quando foi medir o nível do mesmo com uma vara metálica que ele inseria no chão, onde normalmente ficam os tanques dos postos. Depois, ele usou um termômetro que acabou registrando 78°C. A partir daí, Centralia nunca mais seria a mesma, com o governo roubando propriedade das pessoas, dividindo a cidade e tudo mais.

Hoje, o incêndio da mina, que começou perto do cemitério Odd Fellows mudou para três zonas principais de queima: uma perto da extremidade ocidental da rua sul (South Street), outra à oeste da antiga Rota 61, e uma final a leste perto de Grande Mina Run Road. Em um dia fresco, depois de ter acabado de chover ainda é fácil de vislumbrar os famosos fumegantes de Centralia, especialmente no final de outono e o início da primavera. Não existe, também, nenhum plano para combater o fogo, que segue se estendendo sem controle. Espera-se que dentro de 100 anos alcance os 1.500 hectares e ainda terá outros 150 anos até acabar o combustível.

Conheça mais


Adicionado Em: 21 de junho de 2018

Canal: AssombradO

Visualizações: 4

Duração: 30:16

Categorias: Vídeos

Tags: , , , ,

GD Star Rating
loading...

Este Link:

Deixe um comentário